quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Escola do MST tem a melhor nota no Enem em Abelardo Luz

   Por que a grande mídia tão zelosa dos interesses da sociedade não alardeou esse êxito da Escola do MST?
-------------------------------------------
Por Ernesto Puhl
Do Jornal Sem Terra

Na Escola Semente da Conquista, localizada no assentamento 25 de Maio, em Santa Catarina, estudam 112 filhos de assentados, de 14 a 21 anos. A escola é dirigida por militantes do MST e professores
indicados pelos próprios assentados do município de Abelardo Luz, cidade com o maior número de famílias assentadas no estado. São 1418 famílias, morando em 23 assentamentos.

A escola foi destaque no Exame Nacional do Ensino médio (Enem) de 2009, divulgado na pagina oficial do Enem. Ocupou a primeira posição no município, com uma nota de 505,69. Para muitos, esses dados não são mais do que um conjunto de números que indicam certo resultado, mas para nós, que vivemos neste espaço social, é uma grande conquista.

No entanto, essa conquista, histórica para uma instituição de ensino do campo, ficou fora da atenção da mídia, como também pouco reconhecida pelas autoridades políticas de nosso estado. A engrenagem ideológica sustentada pela mídia e pelas elites rejeita todas as formas de protagonismo popular, especialmente quando esses sujeitos demonstram, na prática, que é possível outro modelo de educação.

A Escola Semente da Conquista é sinal de luta contra o sistema que nada faz contra os índices de analfabetismo e do êxodo rural. Vale destacar que vivemos numa sociedade em que as melhores bibliotecas, cinemas, teatros são para uma pequena elite.

E mesmo com todas as dificuldades a Escola Semente da Conquista foi destaque entre as escolas do Município. Este fato não é apenas mérito dos educandos, mas sim de uma proposta pedagógica do MST, que tem na sua essência a formação de novos homens e mulheres, sujeitos do seu processo histórico em construção e em constante aprendizado.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

BOLSONARO E SUA INCORRIGÍVEL HOMOFOBIA

Até quando esse crápula do Bolsonaro vai continuar a dizer coisas desse tipo sem ser processado. Parece-me que nesse depoimento ele explicita uma conduta homofóbica inaceitável passível de uma ação judicial. Vejam (mas só se tiver estômago):


Gols perdidos

Vocês têm notado a quantidade de gols perdidos ultimamente? Alguma coisa está acontecendo. Não é possível! Talvez tenham razão os que falam de ressonância Schumann, mudança do eixo da terra ou de conspiração extra-terrestre, ou ainda qualquer outro fenômeno dessa natureza. Só os gols perdidos domingo último pelo Fluminense contra o São Paulo, já foram um escândalo, agora esse aqui embaixo... pelo amor de Deus. Até o Val baiano faria. Vejam:


Frans Post e "A vista de Itamaracá" - A Primeira imagem do Brasil

 

 

 

    Frans Post veio para o Brasil na época em que o nosso querido e ensolarado Nordeste estava sob o domínio holandês e era governado por Maurício de Nassau. Post nasceu em Leiden, na Holanda, chegou ao Brasil com apenas 24 anos de idade, já com a missão de participar de missões e montar uma grande coleção de desenhos sobre o Brasil. Foi neste mesmo ano que este jovem entraria para a história, ao produzir o que é considerada a primeira imagem fiel das Américas, por consequência a primeira imagem do Brasil: o quadro "Vista de Itamaracá", uma obra de pouco mais de 60 por 80 centímetros, pintada em óleo sobre tela, que consegue mostrar a paisagem brasileira com qualidade quase fotográfica, mesmo que ainda de uma vista simplória.
    É claro que antes de Vista de Itamaracá foram feitos desenhos e gráficos sobre o Brasil, mas Frans Post foi o primeiro a realmente retratar nosso pais. Atualmente, infelizmente o quadro Vista de Itamaracá não se encontra no Brasil. Ele está no Royal Picture Gallery Mauritshuis, na Holanda. Pelo menos podemos dizer que está muito bem acompanhado. Neste museu estão o famoso quadro "Menina com Brinco de Pérola" de Johannes Vermeer e a obra "Lição de Anatomia do Dr. Nicolaes Tulp", de Rembrandt.
    Mas se vista de Itamaracá está na holanda, a maior coleção de Obras de Frans Post está no Brasil. O Instituto Ricardo Brennand, em Recife, possui o maior acervo do artista no mundo, com dezessete obras (o Mauritshuis possui três).
    Um aspecto interessantes sobre Frans Post é que ele continuou pintando paisagens brasileiras mesmo quando já faziam décadas que o pintor havia saído do país, graças a uma excelente memória visual. Post foi embora do Brasil em 1644, com o fim do governo de Maurício de Nassau no Nordeste. Mas seu último quadro sobre o Brasil seria pintado em 1669, 25 anos depois, mostrando uma paisagem de Pernambuco.

 Do blog do Andolfato

LAICIDADE E ESPAÇOS PÚBLICOS.

  A cada dia que passa torna-se mais clara a tendência de se pensar os espaços públicos, e neste caso aqui é o espaço televisivo que está em jogo, como espaços essencialmente laicos. Isso não quer dizer que o tema religião não possa ou não deva ser tratado. É o caso da escola, por exemplo, espaço no qual o tema da religião tem que ser tratado. Mas o tratamento deve ser isento, ou melhor, não prosélito, propiciando uma abordagem histórica, sociológica, filosófica, etc., mas nunca de louvor ou coisa que o valha. Tenho, como professor de rede pública no Rio de Janeiro, assistido a uma escalada de ocupação religiosa dentro das escolas, malgrado o esforço de vários profissionais de educação que têm se esforçado no sentido de demarcar o espaço público de educação como um espaço laico. No caso da televisão creio que será uma decisão acertada a de tirar do ar programas católicos, evangélicos e outros de qualquer denominação religiosa. Leiam abaixo a notícia veiculada pelo portal imprensa:

___________________________________

O Conselho Curador da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) deverá tirar do ar os programas católicos e evangélicos veiculados pela TV  Brasil e em oito canais de rádio que integram a rede pública criada pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva. A proposta será apresentada para votação no órgão a ser realizada no dia 7 de dezembro, sob a forma de minuta de resolução.

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, a ideia do conselho é abordar o tema religião de forma mais ampla, sem a necessidade de se ter um programa específico sobre uma ou outra crença. Além disso, os integrantes do órgão da EBC acreditam que a rede pública de TV deve aumentar o diálogo com as diversas religiões presentes no país.

Após o anúncio de que o Grupo Silvio Santos, que pertence ao empresário e dono do SBT Silvio Santos, passava por problemas financeiros, a emissora recebeu propostas de ao menos três igrejas evangélicas para a compra de horário na faixa da madrugada. A assessoria do canal declarou que as ofertas não eram recentes, mas que até o momento "não surgiu nenhuma proposta que tenha interessado". Entre as negociantes, destacam-se a Igreja Internacional da Graça, de R.R. Soares, e o Ministério Silas Malafaia.

domingo, 21 de novembro de 2010

Marilena Chauí, em entrevista, afirma que nossa mídia é uma das mais autoritárias do mundo

Um dos grandes debates, ou enfrentamentos, do governo Dilma se dará no âmbito da democratização das comunicações. O atual oligopólio que é visto por alguns analistas como uma espécie de atualização da relação casa-grande / senzala é um dos gargalos da nossa democracia e cidadania. O modo autoritário e avesso a diversidade de vozes que pauta a mídia eletrônica ataca diretamente a liberdade de expressão. Sempre que possível trataremos aqui dessa questão crucial para os destinos deste país. Segue abaixo uma entrevista sobre o tema com a professora Marilena Chauí, dada ao sítio "Carta Maior". Leiam:

_________________________________________

CARTA MAIOR: Qual sua avaliação sobre a cobertura da chamada grande mídia brasileira nas eleições deste ano? Na sua opinião, houve alguma surpresa ou novidade em relação à eleição anterior?

MARILENA CHAUÍ: Eu diria que, desta vez, o cerco foi mais intenso, assumindo tons de guerra, mais do que mera polarização de opiniões políticas. Mas não foi surpresa: se considerarmos que 92% da população aprovam o governo Lula como ótimo e bom, 4% o consideram regular, restam 4% de desaprovação a qual está concentrada nos meios de comunicação. São as empresas e seus empregados que representam esses 4% e são eles quem têm o poder de fogo para a guerra.

O interessante foi a dificuldade para manter um alvo único na criação da imagem de Dilma Rousseff: o preconceito começou com a guerrilheira, não deu certo; passou, então, para a administradora sem experiência política, não deu certo; passou, então, para a afilhada de Lula, não deu certo; desembestou na fúria anti-aborto, e não deu certo. E não deu certo porque a população dispõe dos fatos concretos resultantes das políticas do governo Lula.

Isso me parece a novidade mais instigante, isto é, uma sociedade diretamente informada pelas ações governamentais que mudaram seu modo de vida e suas perspectivas, de maneira que a guerra se deu entre o preconceito e a verdadeira informação.

CM: Passada a eleição, um dos debates que deve marcar o próximo período diz respeito à regulamentação do setor de comunicação. Como se sabe, a resistência das grandes empresas de mídia é muito forte. Como superar essa resistência?

MC: Numa democracia, o direito à informação é essencial. Tanto o direito de produzir e difundir informação como o direito de receber e ter acesso à informação. Isso se chama isegoria, palavra criada pelos inventores da democracia, os gregos, significando o direito emitir em público uma opinião para ser discutida e votada, assim como o direito de receber uma opinião para avaliá-la, aceitá-la ou rejeitá-la.

Justamente por isso, em todos os países democráticos, existe regulamentação do setor de comunicação. Essa regulamentação visa assegurar a isegoria, a liberdade de expressão e o direito ao contraditório, além de diminuir, tanto quanto possível, o monopólio da informação.

Evidentemente, hoje essa regulamentação encontra dificuldades postas pela estrutura oligopólica dos meios, controlados globalmente por um pequeno número de empresas transnacionais. Mas não é por ser difícil, que a regulamentação não deve ser estabelecida e defendida. Trata-se da batalha moderna entre o público e o privado.

CM: Você concorda com a seguinte afirmação: "A mídia brasileira é uma das mais autoritárias do mundo".

MC: Se deixarmos de lado o caso óbvio das ditaduras e considerarmos apenas as repúblicas democráticas, concordo.

CM: Na sua opinião, é possível fazer alguma distinção entre os grandes veículos midiáticos, do ponto de vista de sua orientação editorial? Ou o que predomina é um pensamento único mesmo.

MC: As variações se dão no interior do pensamento único, isto é, da hegemonia pós-moderna e neoliberal. Ou seja, há setores reacionários de extrema direita, setores claramente conservadores e setores que usam “a folha de parreira”. A folha de parreira, segundo a lenda, serviu para Adão e Eva se cobrirem quando descobriram que estavam nus.

Na mídia, a “folha de parreira” consiste em dar um pequeno e controlado espaço à opinião divergente ou contrária à linha da empresa. Às vezes, não dá certo. O caso do Estadão contra Maria Rita Kehl mostra que uma vigorosa voz destoante no coral do “sim senhor” não pode ser suportada.
Ocorreu um erro neste gadget