sábado, 21 de novembro de 2009

Primavera do livro

A 15ª Primavera dos Livros acontece de 26 a 29 de novembro, com a Literatura de Cordel como tema, em homenagem ao centenário de nascimento do poeta, compositor e repentista cearense Patativa do Assaré. O evento é realizado pela Libre-Liga Brasileira de Editoras, com apoio da Prefeitura do Rio de Janeiro, nos jardins do Museu da República, das 10h às 22h. Estão previstos lançamentos, atividades para crianças, uma programação especial para professores e venda de livros com até 50% de desconto, em cerca de 90 estandes, onde os editores estarão presentes para trocar ideias com o público. A entrada é gratuita.

15ª Primavera dos Livros
26 a 29 de novembro de 2009 (dia 26, a partir das 18 horas)
Jardins do Museu da República
Rua do Catete, 153 - RJ
Das 10h às 22H

Entrada gratuita

Livros

Este parece ser um livro interessante, principalmente para professores que trabalham com literatura, história etc... é uma publicação da editora Unesp.

HISTÓRIA DA ESCRITA


AUTOR(ES):
FISCHER, STEVEN ROGER


SINOPSE:
Este livro pretende ser uma leitura preliminar útil para universitários e para aqueles
que desejarem ter uma visão atualizada da notável história da escrita. De central
importância para o autor é o exame das origens, das formas, das funções e das mudanças
cronológicas dos mais importantes sistemas de escrita do mundo. O modo como a
humanidade hoje escreve e seu significado maior para a emergência da sociedade global
pode ser mai
s bem apreciado pelo entendimento da origem da escrita, que vem a ser o
tema deste livro.



Pesquisa do IBGE sobre participação das regiões no PIB

O quadro ao lado (apesar de minúsculo) faz parte de uma pesquisa que o IBGE está digulgando, sobre a participação da produção de cada região no PIB brasileiro. É sintomático o que a pesquisa revela no que diz respeito a uma tendência de decrescimento do sudeste e o cerescimento de outras regiões, principalmente a do Nordeste. A queda do sudeste não significa que esta região está produzindo menos, ou encolhendo, mas simplesmente que outras regiões estão com um ritmo de crescimentomais acelerado. Isto é, sem dúvida, uma ocorrência a ser comemorada, pois está patente através dos números do instituto, que há uma clara tendência para um nivelamento, ou pelo menos uma menor discrepância econômica entre as regiões do Brasil.
É sabido até pelo reino minieral o quanto este desnível economico foi prejudicial para o país. E se digo para o país, e não só para o norte e nordeste, é porque foi ruim para todos mesmo. Sabemos o quanto esse desnível é responsável pelo grande êxodo ocorrido do Norte-Nordeste para o sudeste brasileiro, e o quanto isso foi responsável por um quadro de degradação social nas grandes cidades dessa região.
É claro também, por outro lado, que o simples crescimento econômico por si não elimina os grandes problemas sociais, frutos da concentração de renda perversa que sempre esteve associada ao crescimentono Brasil. Mas, é preciso ver em outras pesquisas o quanto esse flagelo da concentração de renda está diminuindo no Brasil, ainda que num passo que a nós todos parece lento.
Quem se interessar pelos números da pesquisa na íntegra, é só acessar o link que segue abaixo:

http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1497&id_pagina=1

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Desdobramentos das sandices do Caetano (o mico do ano)

Quando comentei aqui no blog que tinha a sensação de que Caetano Veloso estava se afastando de um certo campo de idéias coisa e tal, não tinha a dimensão desse afastamento. O "carão" que ele levou da mãe por ter dito aquelas sandices foi surpreendente. Que coisa hein... até a própria mãe. E não se trata de mera questão de discordância, não. Tem um aspecto mais amplo a ser notado. Caetano está indo longe demais. Confunde verborragicamente o que é mão e o que é contra-mão, e quer fazer crer que isso é uma genialidade. Tive o desprazer de ir ao seu blog (obra em progresso) há tempos atrás, e fiquei entre o riso e a tristeza. Riso por ver aquelas contruções frásicas que nada diziam, aqules pesnamentos curvos que não davam em lugar nenhum, e tristeza por ver um poeta de sua estirpe naufragando em sua própria vaidade. Tive o cuidado de ler e reler certas passagens em que ele citava Adorno e Heidegger, e não consegui entender nada. Tudo bem, posso ser pouco letrado em filosofia, mas o texto não explicava nada de nada. Havia aquelas construções do tipo "um quiça Adorno" ou "um talvez Heidegger" que não ia pra lugar nenhum. Lamentável a auto-mistificação de um talvez Caetano. Enfim...
Abaixo um artigo que saiu no blog do Rovai:



---------------------------
(16/11/2009 10:13)
Dona Canô anunciou ontem na Bahia que vai telefonar hoje para o presidente Lula para dizer que não concorda com as declarações do filho Caetano Veloso, que chamou Lula de analfabeto, grosseiro e cafona em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo.

Não se trata de fato isolado, na sexta, Rodrigo Velloso, irmão de Caetano, fez um pedido público de desculpas, num evento na Praça da Purificação, em Santo Amaro, em nome da família.

Para o Jornal A Tarde, Dona Cano disse que “se ele (Lula) me atender, eu falo com ele”. Sobre puxar as orelhas do filho, ela disse que “ele mesmo puxa, pois sabe que o presidente não merece isso”. E ainda acrescentou que tem muito carinho pelo presidente. “Eu quero muito bem a Lula. Foi uma ofensa sem necessidade”, disse.

“Caetano não tinha que dizer aquilo. Vota em Lula se quiser, não precisa ofender nem procurar confusão”, observou.

O irmão de Caetano, Rodrigo Velloso, secretário de Cultura de Santo Amaro, foi um pouco mais duro. Atribuiu ao “jeito” de Caetano as declarações que achou absurdas. “Ele tem essa mania de falar as coisas sem pensar e aí diz coisas assim. Falou de maneira preconceituosa. Achei uma maluquice. Fiquei revoltado”, afirmou Rodrigo.

Esse ciúme louco que Caetano tem de Chico Buarque dá nisso. Ao tentar aparecer de qualquer jeito desagrada até a mãe.
Ocorreu um erro neste gadget