sábado, 14 de agosto de 2010

a boa tese do "ex-gabeira"

  Merece destaque aqui no blog a tese sobre o "ex-gabeira", colocada pelo candidato Jefferson Moura do PSOL, que trata das tranformações pelas quais passou Fernando Gabeira nos últimos anos. A cada eleição parece que fica mais evidente que este senhor renunciou aos seus ideais, como se dizia antigamente, e as negociou na "bacia da almas". É flagrante que nesse sentido Gabeira é um candidato desalmado, e com péssimo tino político partidário. Na minha opinião, ele calculou, quando ainda era membro do governo Lula, que os supostos escândalos que estavam por vir, iriam "detonar" o governo, e pensando em salvar sua pele tratou de se desligar do mesmo com aquele papo moral, ético e etc. Ele sem dúvida calculava que o projeto de governo representado por Lula estava no início do fracasso, e daí tratou de iniciar novo caminho político.  Que cálculo mal feito, hein!
  Bom, aí fez tudo isso para cair de mala e cuia no ninho dos tucanos. Onde já se viu tamanha confusão? Sair com um discurso moralizante, ético, e falando em sonhos e ir se juntar com essa malta direitista que hoje o PSDB representa. Mas de certa forma ele ainda viveu de um certo capital que comseguiu amainar em outros tempos. Era útil também para o PSDB do Rio, pois desde Marcelo Alencar que o partido não consegue mais ter força no Estado, daí Gabeira surge ressucitanto esse pessoal.
 Acontece que a cada eleição que passa esse capital gabeirista se esvai, pois boa parte de seus antigos eleitores o eram pelas posições que o antigo Gabeira tinha, e seus eleitores percebem que trata-se de ex-gabeira mesmo, que tendo saído oportunisticamente de um Governo relativamente bem sucedido, só encontrou guarida no ninho da direita brasileira. Pior pra ele. 
 E nesse imbróglio todo, resta saber o que sobrará, depois das eleições, da candidata Marina Silva que se deixou levar por essa turma, e pela ideia de que era uma das 50 pessoas mais influentes do mundo. É lamentável!!

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Nova pesquisa datafolha

 DILMA 41% X SERRA 33%

DATAFOLHA JOGA A TOALHA E DÁ UM CAVALO DE PAU DE 9 PONTOS EM 20 DIAS PARA SE 'ADEQUAR' AO DECLÍNIO TUCANO


Entre a pesquisa de 24 de julho e a de agora, um intervalo de 20 dias, o Datafolha tira 4 pontos de Serra e adiciona cinco pontos às intenções de voto em Dilma. O que se intui por esse ajuste sem pudor é que a situação de Serra pode ser até pior. Há muito, o esfarelamento de sua candidatura vem sendo constatado por praticamente todos os demais institutos. Só o Datafolha resistia. Ao jogar a toalha sangrando Serra em praça pública com um cavalo de pau de nove pontos, o instituto da família Frias envia uma mensagem devastadora, quase uma admissão pública de que 'não dá mais para segurar'. O recado pode desencadear um 'salve-se quem puder' na coalizão demotucana, multiplicando-se as defecções na base aliada às vésperas de iniciar o horário político eleitoral. Esse risco é reforçado por outro indicador indigesto revelado pela pesquisa, uma espécie de 'fuja dele se você for candidato' que parece dar razão às estratégias de campanha que já escondem o nome e o rosto de Serra em santinhos. O ex-governador de SP, com declinantes 33% de apoio, já se aproxima dos 30% de rejeição -- está com 28%, segundo o Datafolha. Confirma-se assim o que outros institutos vinham captando: o tucano se debate espetado em uma cruz feita de porcentuais quase idênticos, mas de sinais trocados, em que a linha da rejeição sobe e a das intenções de votos desaba. A cristianização de sua candidatura, a exemplo do que ocorreu com o presidenciável Cristiano Machado, nos anos 50, abandonado pelo próprio partido, o PSD, que apoiou Vargas, pode se tornar um fenômeno epidêmico nas campanhas demotucanas em todo o país.

do site Carta Maior

O dia em que a globo falou mal do Serra...

Muito curiosa esta ocorrência que está abaixo publicada. Trata-se de um progrma da globonews no qual a apresentadora tenta encaminhar a coversa para um lado e a coisa vai pra outro totalmente diferente. Parece que ela não consegue tomar as rédeas da coisa, pois os entrevistados vão, fugindo da orientação dela, dando explicações das razões pelas quais a candidatura Serra está à deriva. A leitura dos dois cientistas políticos é bem interessante. Vejam:


domingo, 8 de agosto de 2010

Mais da Dilma... até o Ibope reconhece.

Dilma ultrapassa Serra no Rio Grande do Sul, diz Ibope


Tido como o último reduto tucano no País, ao menos onde José Serra (PSDB) ainda estava à frente de Dilma Rousseff (PT) na preferência para o cargo de Presidente da República, o Rio Grande do Sul mostra que o gaúcho está disposto a mudar seu voto.

Na mais recente pesquisa Ibope, encomendada pelo Grupo RBS, a petista está dois pontos à frente do tucano. Dilma foi citada por 42% dos entrevistados ante os 40% que preferiram Serra. No último levantamento, no início de julho, o tucano tinha 46% e a petista, 37%. Na pesquisa espontânea, Dilma também ultrapassa Serra. São 33% dos votos contra 31%.

Marina Silva (PV), que no levantamento de julho aparecia com 6%, perdeu um ponto, e está com 5%. Brancos e nulos se mantiveram em 3%, enquanto os indecisos subiram de 6% para 9%. Questionados sobre a escolha em um eventual segundo turno, 45% dos entrevistados disseram preferir Dilma, enquanto 44% apostariam em Serra.

Já para o governo do Estado, o ex-ministro da Justiça Tarso Genro permanece na liderança, com 37% dos votos, seguido pelo ex-prefeito de Porto Alegre José Fogaça, com 31% e da governadora gaúcha, Yeda Crusius, com 11%.

Comparando os atuais resultados com o do último levantamento, em julho, Tarso perdeu dois pontos, passando de 39% para 37%, enquanto Fogaça ganhou duas posições, saindo dos 29% e chegando aos 31%. Yeda é a candidata que perdeu mais em um mês: quatro pontos, de 15% para 11%.

O Ibope ouviu 812 eleitores entre 3 e 5 de agosto. A margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no TRE (35.561/2010) e no TSE (21.914/2010).
Ocorreu um erro neste gadget