sábado, 20 de novembro de 2010

MÍDIA E PODER

  A grande mídia na qual se destaca o grupo Abril, Estadão, Folha e Globo (e seus serviçais como o sociólogo Bolivar Lamounier), se esmera em desfechar golpes contra as iniciativas do governo, mas não só, de implementar o controle social da mídia. Esses grupos acusam o governo e as organizações ligadas às comunicações de estarem tentando realizar um controle que colocaria em xeque os interesses da democracia, uma vez que a mesma limitaria a liberdade de expressão. O controle social dos meios de comuniação, como nos diz o professor Francisco Fonseca da FGV em seu livro "Mídia e Poder", atua justamente no sentido contrário ao da limitação do direito de expressão. Ele nos diz que muitos países europeus, que não podem de modo nenhum serem chamados de ditatoriais, realizaram esse tipo de iniciativa, e que sem ele é que a democracia correria perigo.
 Por outro lado essa grande mídia silenciou qundo das discussões em torno da famigerada Lei Azeredo, esta sim, um verdadeiro atentado contra a democratização da internet. Para quem quiser se aprofundar nesse necessário debate, este blog recomenda a entrevista dada por Marcelo Branco a Antonio Martins do Le monde Diplomatique. Marcelo foi um dos organizador do 10º FISL (Fórum Internacional de Software Livre) realizado no ano passado. Na entrevista Marcelo distingue claramente as posições do PSDB e do PT sobre o assunto, definindo as posições dos tucanos como contra as liberdades de expressão na internet. O próprio encontro teve como tema “Liberdade. Contra o controle e a vigilância na internet”, dada a importância do assunto nos novos cenários políticos. A entrevista está no link abaixo:

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Entrevista de Maria Victoria Benevides

A professora Maria Victória Benevides deu uma excelente entrevista à revista "ISTO É". Aliás, essa revista representa uma novidade no mercado editorial brasileira, pois de um tempo pra cá ela não tem engrossado as fileiras do que se vem chamando de PIG (Partido da Imprensa Golpista). Mas voltando ao assunto, a entrevista é muito boa e vale a pena dar uma olhada. Segue o link:

http://www.istoe.com.br/assuntos/entrevista/detalhe/109159_LULA+NAO+PODERA+SER+UMA+SOMBRA+DE+DILMA+

Costinha e as raspadinhas do Rio... para rir um pouco.

Certa feita o comediante Costinha foi contratado para fazer a propaganda das "Raspadinhas do Rio". Ele fez, e acho que na época foi ao ar. Mas em tom de brincadeira a equipe fez uma segunda versão, que obviamente não foi ao ar. Vejam nessa gravação as duas versões. É muito engraçado.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

O PORTUGUÊS DO BRASIL

 Já falamos aqui sobre o lançamento da "Gramática do português brasileiro" do professor Mário Perini, e suas implicações ideológicas no que diz respeito à luta de muitos linguistas contemporâneos. Nessa luta destaca-se a figura do professor Marcos Bagno, que com contundência denuncia a língua como um campo no qual se explicita as lutas ideológicas e sociais e as formações autoritárias implícitas na cultura brasileira. Postamos aqui o artigo do professor Bagno quando do lançamento da Gramática do seu colega Mário Perini. Leiam:

ENFIM, UMA GRAMÁTICA BRASILEIRA!


Por Marcos Bagno

  Demorou, mas chegou. Exatos 188 anos. Finalmente, temos à nossa disposição uma gramática que descreve o que realmente acontece na nossa língua: a Gramática do português brasileiro, de Mário Perini, que acaba de ser lançada (Parábola Editorial). O fato histórico merecia banda de música e fogos de artifício. Afinal, vamos poder nos livrar dos mofados compêndios que, mesmo publicados no Brasil, mesmo publicados recentemente, continuam a chamar nossa língua simplesmente de “português” e a tentar impor como modelos de correção as opções de um punhado de escritores lusitanos mortos há uns bons 200 anos. Chega! Xevra! Xispa! Xô!
  Mário Perini é um linguista que há muito tempo vem se dedicando ao exame atento do que é a língua majoritária dos brasileiros. Já em 1985, propôs que se abandonasse a prática multissecular de recorrer à escrita literária em favor de uma referência ao padrão que de fato se verifica na prática escrita das pessoas altamente letradas. Em vez do romance e da poesia, que a gramática se debruce sobre a escrita jornalística, acadêmica, ensaística, técnico-científica. Se é para ensinar os brasileiros a escrever, que se ensine a escrever como se escreve no Brasil, e não como Eça de Queiroz ou Camilo Castelo Branco nem, muito menos, Machado de Assis (um gênio assim só a cada 500 anos!).
  É preciso libertar a língua da retumbante maioria das pessoas do peso insuportável de ser comparada aos usos feitos pelos grandes escritores. É preciso que professores de português, dicionaristas, gramáticos e neogramatiqueiros (esses que invadiram a mídia brasileira atual para vender um peixe linguístico mais podre e fedido que as águas do Tietê) parem de dizer que tal uso é “errado”, “não existe” ou “não é português” só porque não aparece na obra dos “clássicos”. Além de ser uma mentira, também é uma grande injustiça, e por duas razões. Primeiro, porque na obra dos grandes escritores também aparecem transgressões das normas tradicionais (embora os gramáticos se esforcem por escondê-las, como se os grandes autores só escrevessem de acordo com as regras que eles, gramáticos, tentam impor). Segundo, porque os escritores não devem nem querem ser transformados em régua para corrigir, em peso e medida para avaliar a produção linguística de ninguém.
  Se lá em cima escrevi que esperamos 188 anos por uma gramática da nossa língua é porque a nossa independência política (1822) não representou uma independência linguística. Nem poderia. Afinal, foi uma independência tramada de cima para baixo, proclamada pelo próprio representante da potência colonial que, mais tarde, para provar o quanto tinha ficado “independente”, abandonou seu império tropical para defender o trono português e se sentar nele com o nome de Pedro IV. Isso explica por que, no estudo e no ensino de língua, permanecemos igualmente atrelados aos manuais que vinham de Lisboa. E mesmo quando se começou a produzir gramáticas no Brasil, elas ofereciam como norma linguística uma modalidade extremamente restrita de língua literária lusitana pós-Romantismo.
  Bem-vinda, Gramática do português brasileiro! Talvez agora os autores de livros didáticos parem de tentar ensinar uma língua que nunca existiu por aqui (e, pensando bem, nem em Portugal) e reconheçam que a língua que nossos alunos querem aprender é o português brasileiro urbano culto, a língua que de fato molda a nossa identidade nacional e é moldada por ela. Libertas quae sera…!

domingo, 14 de novembro de 2010

Entrevista de Naomi Klein

Após a última postagem que fiz na qual há um explícito questionamento sobre a vida inteligente nos EUA, vou colocar aqui uma entrevista muito legal da jornalista e ativista canadense Naomi Klein. Nessa entrevista a bela Naomi mostra que não é só um rostinho bonito no movimento alter-mundista. Ela é autora do maravilhoso livro "A doutrina do choque: a ascensão do capitalismo de desastre", no qual ela mapeia o crescimento do neoliberalismo da escola de Chicago a partir da década de 1950, e seus experimentos radicais no Chile de Pinochet na década de 1970. O livro é imperdível e o documentário (com o mesmo nome), idem. Aqui uma entrevista que ela concedeu a globonews. Vejam:



Entrevista de Naomi Klein na Globo News por nortontavares no Videolog.tv.

Ocorreu um erro neste gadget