sábado, 10 de outubro de 2009

Golpe em Honduras - uma outra visão

É abslutamente inacreditável o modo como compramos notícias truncadas e torcidas. Essa manipulação visa única e exclusivamente a construção de uma representação, ou produção de consenso, para satistazer determinados grupos políticos. Mas as vezes penso que o PIG (partido da imprensa golpista) está indo longe demais. A ausência de contradito é um sintoma e tanto da parcialidade das "notícias" dos jornalões. Estou dizendo isso com referência ao caso do golpe militar de Honduras (e olha que quase eu me referia a "crise" hondurenha como faz o PIG). Durante todo o tempo a grande mídia quase dizia c om todas as letras que o golpe foi um acontecimento para salvaguardar os interesses democráticos daquele país, pois o presidente Manoel Zelaya, este sim, um verdadeiro golpista, queria alterar a constituição para se reeleger. Ou seja, o golpefoi democrático. O ra, pensava eu, foi isso que fizeram vários presidentes da América Latina, incluindo FHC no Brasil. E ademais, alterar constituições não é nenhuma ilegalidade, desde que seja encaminhado através de conjunto de forças que representem (sei que esta palavra é complicada) o interesse da maioria.
Mas o fato é que, em uma matéria para a revista de história da biblioteca nacional, o cientista político hondurenho naturalizado brasileiro Carlo Domínguez, afirma que o golpe não foi por causa da tentativa de re-eleição do presidente Zelaya, pois este nem sequer era candidato por nenhum partido para as eleições que aconteceriam em novembro deste ano. O que está efetivamente por trás de todas essa movimentação golpista , segundo Domínguez, eram as transformações constitucioanais propostas pelo governo, que visava, entre outras coisas, a criação de consultas populares que não se restringissem unicamente às consultas eleitorais. aí fica a pergunta: esse dado não era conhecido de nossos jornalistas? Impossível!
Quem quiser ler a matéria na íntegra (ela é bem curtinha) é só clicar no link abaixo:

http://www.revistadehistoria.com.br/v2/home/?go=detalhe&id=2673

Um comentário:

  1. Grande Ricardo! Consultas populares são perigosíssimas para um país tão "democrático" como Honduas, não é mesmo? Rs!

    Uma vergonha o que a impresa faz com as informações. Promoveram um golpe, forjaram uma renúncia, expulsaram o presidente eleito e querem nos fazer engolir essas informações truncadas de que tudo foi feito em nome da democracia.

    Noutro aspecto da questão, que maravilha a atuação da diplomacia brasileira que, de maneira segura (ao contrário do que dizem os nossos excelentíssimos senadores da oposição) vem conduzindo as negociações, primando pela garantia da manutenção da democracia hondurenha. Parabéns ao governo Lula por mais este acerto!

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget