terça-feira, 1 de dezembro de 2009

A queridinha da mídia para assuntos de terra no Brasil...

Ultimamente os ataques ao MST por parte da mídia é uma constante. Chegou ao ponto do âncora da Band news, Ricardo Boechat, tentar fazer uma "meia sola", dizendo coisas do tipo: "nem tanto ao mar nem tanto a terra, pois se de um lado o pessoal do MST não é terrorista, como diz parte da mídia; o pessoal do CNA também não é do mal, como afirma o MST.
Mas os que praticam o ataque sistemático ao MST, defendendo uma CPI e coisa e tal, não responde as indagações feitas pela Comissão Pastoral da Terra: por que os ruralistas do congresso nacional encastelados na famigerada bancada ruralista não faz andar a CPI do trabalho escravo? Acho que a resposta é por demais óbvia para que me ocupe dela aqui. Leiam essa matéria abaixo e saibam mais um pouco sobre a senadora Kátia Abreu, a musa (será que dá pra chamar assim?) da bancada ruralista. São informações que nós não teríamos acesso através dos grandes meios de comunicação.



Golpe de Kátia Abreu: uma história de estarrecer

1 de dezembro de 2009

Do Conversa Afiada

A propósito de uma reportagem que Leandro Fortes publicou na Carta Capital, o Conversa Afiada publicou o seguinte post: “Kátia, que é inimiga do MST e quer derrubar governadora compra terra no grito e não planta nada”.

Ontem, por telefone, Paulo Henrique Amorim entrevistou o pequeno proprietário rural Juarez Vieira Reis, de Campos Limpos, Tocantins.

Juarez reafirmou que a união do poder Executivo e do Judiciário de Tocantins o obrigou a abandonar as terras em que vivia com a família desde 1955, sem receber um tostão.

O beneficiário da intervenção foi a então deputada e presidente da associação rural de Tocantins, a hoje senadora Kátia Abreu, que tenta prender o João Pedro Stedile e depor a governadora do Pará.

A Senadora se apropriou das terras, embora tenha ido à casa de Juarez e prometido que não faria nada para prejudicar a família.

Juarez venceu em todas as etapas do Judiciário, mas não consegue reaver as terras.

Ele demonstrou que os documentos que atestavam a sua propriedade – o usucapião – eram legítimos.

A certa altura, uma autoridade disse que ele tinha tomado aquelas terras e Juarez respondeu: “nunca vi pobre tomar terra de rico”.

Enquanto isso, a Senadora não planta no local um pé de feijão.

Juarez calcula que a Senadora, com a desapropriação ilegal, tenha se apossado de 3 mil hectares de terra, num platô da Serra Geral.

Juarez mencionou que, no último sábado, conversou com o Senador João Ribeiro, do PR de Tocantins, e denunciou a injustiça de que é vítima.

Paulo Henrique Amorim conversou ontem à noite com o senador João Ribeiro, por telefone.

Ribeiro confirmou que esteve com Juarez numa solenidade de entrega de 100 títulos, em companhia do Senador Eliomar Quintanilha, hoje Secretário de Educação de Tocantins, e José Augusto Pugliesi, Presidente do Instituto de Terra do Tocantins.

Que, de fato, conversou com Juarez.

“Um homem simples”, disse o Senador.

“É uma história de estarrecer!”, disse João Ribeiro.

“Foi um processo brutal (de desapropriação)”, disse.

O Senador anunciou que vai conversar com o Governador Carlos Henrique Gaguim (PMDB) para apurar como foi essa desapropriação das terras de Juarez e ver o que é possível fazer, dentro da Lei.

“Precisamos ver se a terra é ou era dela. É uma história de estarrecer. E ela (Senadora Kátia) não produziu nada: um pé de feijão!”, concluiu o Senador João Ribeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget